Oração em tempos de Pandemia de Coronavírus


Oração em tempos de epidemias
"Pecamos contra Vós, Senhor, pois desprezamos os vossos mandamentos. Deixamos de ouvir os vossos profetas e não escutamos a voz do vosso Filho que nos fala pelos seus enviados.
Na ganância desenfreada, na busca do lucro a todo custo, na corrupção que corrói nossas instituições, nos escândalos daqueles que se enriquecem às custas da fé simples do vosso povo e dos que, sob o manto da piedade, abusam dos mais pequeninos e vulneráveis, profanamos a vossa casa e jogamos as pérolas que confiastes aos vossos ministros na lama mais depravadora.
Convertei-nos, Senhor do universo, pois profanamos a Criação: poluímos a água, a terra e o ar. A Criação pede socorro e ficamos surdos ao seu clamor. Condenamos o planeta que criastes para ser um jardim para nós num caos pela devastação das suas riquezas e pela exploração desmedida dos seus recursos, movidos unicamente pela busca desenfreada do lucro.
Vede Senhor que, após milênios da presença do vosso Filho entre nós, ainda ficamos surdos ao seu apelo em favor dos mais pobres e pequeninos condenados a viverem da sobra, entregues à toda forma de violência, e abandonados à própria sorte.
São populações inteiras que vivem em condições miseráveis, insalubres, sem nenhuma assistência e, quando há, em condições extremamente precárias. São populações inteiras, hoje, vítimas da guerra e do terrorismo que se arrastam por dezenas de anos onde famílias são destruídas e crianças indefesas assassinadas.
Convertei-nos, Senhor, pois de outra forma as consequências serão sempre mais dolorosas. Diante das epidemias, fruto do nosso descaso e da nossa ambição, que atingem toda humanidade e atingem implacavelmente os mais fracos, nós clamamos: Senhor, piedade!
Vós nos quereis fazer compreender que quando deixamos de cuidar da mãe terra e dos mais frágeis colocamos em risco toda a humanidade. Quando não protegemos a vida dos mais pequeninos, daqueles que ainda estão no seio de suas mães, como daqueles que estão no fim de suas existências, colocamos em risco a vida de todos os homens e mulheres, filhos e filhas vossos, nossos irmãos e irmãs.
Convertei-nos, Senhor Deus do universo, nosso Pai e Salvador! Que o momento que vivemos, que nos obriga a cuidar de nós mesmos, não nos leve a descuidar da vida dos mais necessitados de cuidado e proteção, nem da Criação que geme com dores de parto esperando a manifestação dos filhos de Deus.
Fazei, Senhor, que nossa oração alcance o Vosso Coração, mas sobretudo, toque o coração daqueles que têm os destinos da humanidade em suas mãos, para que deponham as armas e compreendam que o bem-estar de todos é a única garantia que temos para vencer o mal que nos cerca e nos oprime. 

Amém!"

Autor:  Dom Milton Kenan Júnior, Bispo de Barretos.


COMPARTILHEM ESSA BELA ORAÇÃO MEUS IRMÃOS

Dom Peruzzo : encontro dos bispos paranaenses com o Papa Francisco



Os bispos do Regional Sul 2 da CNBB, que corresponde ao Estado do Paraná, realizaram na última semana de fevereiro a sua visita ad Limina Apostolorum ao Vaticano, no âmbito da qual foram recebidos pelo Santo Padre no último dia 24. O arcebispo de Curitiba Dom José Antônio Peruzzo visitou a Rádio Vaticano, Vatican News e contou como foram esses dias em Roma e o encontro com o Papa Francisco.

Esses dias em Roma – disse dom Peruzzo – foram dias de graça e não foi apenas o dever cumprido, a formalidade exigida, as tarefas reclamadas estatuídas, parte de qualquer organização. Os encontros nos diversos Dicastérios foram iluminados pelo encontro pessoal com o Papa Francisco. Estávamos lá, os 18 bispos numa conversa, em uma roda, só faltou o chimarrão; somos do Sul do Brasil, ou então uma cuia de tacacá, se fossemos do Norte. Isto é, 3h10 conversando de maneira muito familiar. O Papa mesmo a nos indicar: 'se querem água, está ali. Se precisarem de toalete é neste lado, vamos conversar'.
Dom Peruzzo disse que o bispo encarregado de fazer um discurso para o Papa levantou-se - a deferência o exigia -, para fazer o discurso. "Não, não, pode sentar – disse o Papa - aqui vamos conversar". Naquela conversa - continuou o arcebispo -, nós fazíamos perguntas e ele respondia. Percebia-se o homem sábio o teólogo consistente. Percebemos a riqueza do pensamento do Papa, a familiaridade o afeto, a serenidade. Problemas de grande complexidade e ele falava de maneira simples sem perder a profundidade e ao mesmo tempo sem temer os desafios. Outro dado que eu gostaria de afirmar e reafirmar ao ouvinte da Rádio Vaticano, vez por outra dizem que entre os dois Papas, o Papa Francisco e o Papa emérito Bento existem diferenças, às vezes até descontinuidades, em algum tema até divergências de difícil  superação. Olha, por seis vezes o Papa Francisco, diante das diversas questões e problemas propostos e perguntas formuladas, em 6 vezes Francisco mencionou discursos palavras ou escritos de Bento XVI. Não existe incompatibilidade ou descontinuidades, são duas personalidades diferentes como são até os filhos numa mesma família, mas há continuidade e os ouvidos e os olhos dos bispos do Paraná podem atestar isso. 
FONTE: VATICAN NEWS